Text page

NBR 16358: determinação de água por crepitação em óleos lubrificantes

Essa norma descreve o procedimento qualitativo para a determinação da presença de água por crepitação em óleos lubrificantes novos e em uso, óleos lubrificantes usados e óleos básicos. Este método pode ser usado para indicar a necessidade ou não, de quantificar o teor de água por outros métodos quantitativos.

15/04/2015 - Equipe Target

A presença de água em óleos lubrificantes

A NBR 16358 d 03/2015 - Óleos lubrificantes - Determinação de água por crepitação descreve o procedimento qualitativo para a determinação da presença de água por crepitação em óleos lubrificantes novos e em uso, óleos lubrificantes usados e óleos básicos. Este método pode ser usado para indicar a necessidade ou não, de quantificar o teor de água por outros métodos quantitativos. Este método não se aplica às amostras de óleos lubrificantes com ponto de fulgor abaixo da temperatura de ebulição da água.

O uso deste método pode envolver equipamentos e materiais perigosos. Recomenda-se que o responsável pelo laboratório pesquise e oriente a aplicação das boas práticas das normas técnicas e dos requisitos das legislações de segurança, saúde no trabalho e ambiental, antes de sua utilização.

O planejamento do ensaio deve identificar os riscos relacionados às tarefas a serem executadas, bem como a descrição das medidas de proteção necessárias e a estrutura do treinamento específico. Dependendo do ensaio, pode ocorrer exposição a risco de acidentes, doenças e danos ambientais, que exigem a aplicação de medidas preventivas e corretivas específicas.

Recomenda-se que, antes da realização do ensaio, as seguintes medidas sejam observadas: identificar os produtos químicos que serão utilizados no ensaio; analisar as fichas de informações de segurança de produtos químicos (FISPQ), de forma a identificar os riscos e definir os equipamentos de proteção coletiva (EPC) e/ou individual (EPI) adequados; ter em mente que a exposição ocupacional a produtos químicos ocorre, principalmente, pela via respiratória e, secundariamente, pela pele e via digestiva.

Para a realização do método, deve-se colocar uma quantidade de amostra de óleo lubrificante sobre uma superfície aquecida e observar a ocorrência de ruídos ou estalos para caracterizar a presença de água. Utilizar, para limpeza do recipiente metálico, solvente adequado para remover resíduos de óleo.

Como aparelhagem, usar béquer graduado que permita a medição de volume entre 5 mL e 20 mL. Um chapa de aquecimento ou Bico de Bunsen. Essa chapa metálica deve ser capaz de atingir uma temperatura de 150 °C a 200 °C, com inclinação máxima de 45°. Caso necessário, adaptar um dreno para evitar o acúmulo de amostra na superfície da chapa, evitando interferências no ensaio. Um coletor metálico com bordas e dreno pode ser usado para apoiar a chapa.

Um bico de Bunsen para aquecimento com chama controlada. Um recipiente metálico, podendo ser utilizada uma panela com capacidade aproximada de 500 mL e altura em torno de 10 cm, com fundo plano e cabo com isolamento térmico. Uma espátula de material polimérico (por exemplo, Teflon11) ou metálica, com cabo com isolamento térmico.

E como proceder? Ligar a chapa de aquecimento e aguardar o tempo necessário para que esta atinja uma temperatura em que ocorra a evaporação instantânea da água, porém abaixo da temperatura do ponto de fulgor da amostra. A chapa deve estar em local com exaustão e sinalizada com aviso de “superfície quente”.

Homogeneizar vigorosamente a amostra, transferir imediatamente para um béquer uma alíquota de 5 mL a 20 mL e verter sobre a chapa, de modo que a amostra escorra ao longo do comprimento da chapa. Se for utilizar o Bico de Bunsen, colocar a alíquota no recipiente metálico e aquecê-la. Desligar a exaustão da capela para possibilitar ouvir a crepitação, caso exista.

Caso seja observada crepitação, e se necessário, proceder à determinação do ensaio de teor de água por métodos quantitativos, como água por destilação, água por Karl Fischer, etc. Se não houver crepitação, a amostra é considerada isenta de água.

FONTE: Equipe Target

Anúncio fixo da norma NBRISO9001 Chegou o novo app Target GEDWeb!
Busque e visualize suas normas ABNT NBR NM
Recursos exclusivos de busca, leitura por voz,
acesso off-line, navegação por setor e muito mais!
Produto/Serviço relacionado à NBRISO9001

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Métodos de ensaio para filtros de óleo lubrificante de fluxo total para motores de combustão interna - Parte 5: Ensaio de simulação de partida a frio e de durabilidade a impulsos hidráulicos
NBRISO4548-5 de 03/2008

Métodos de ensaio para filtros de óleo lubrificante de fluxo total para motores de combustão interna - Parte 5: Ensaio de simulação de partida a frio e de durabilidade a impulsos hidráulicos

Óleos e fluidos lubrificantes — Determinação das propriedades de extrema pressão — Método das quatro esferas
NBR15353 de 09/2016

Óleos e fluidos lubrificantes — Determinação das propriedades de extrema pressão — Método das quatro esferas

Óleos lubrificantes, produtos de petróleo e biodiesel — Determinação do número de acidez pelo método de titulação potenciométrica
NBR14448 de 11/2013

Óleos lubrificantes, produtos de petróleo e biodiesel — Determinação do número de acidez pelo método de titulação potenciométrica

Métodos de ensaio para filtros de óleo lubrificante de fluxo total para motores de combustão interna - Parte 9: Ensaios da válvula antidrenagem de entrada e saída
NBRISO4548-9 de 08/2008

Métodos de ensaio para filtros de óleo lubrificante de fluxo total para motores de combustão interna - Parte 9: Ensaios da válvula antidrenagem de entrada e saída

Filtros para óleo lubrificante ou hidráulico — Cura do elemento filtrante de papel — Método de ensaio
NBR5501 de 08/2010

Filtros para óleo lubrificante ou hidráulico — Cura do elemento filtrante de papel — Método de ensaio

Métodos de ensaio para filtros de óleo lubrificante de fluxo total para motores de combustão interna - Parte 11: Filtros autolimpantes
NBRISO4548-11 de 10/2014

Métodos de ensaio para filtros de óleo lubrificante de fluxo total para motores de combustão interna - Parte 11: Filtros autolimpantes

Produtos de petróleo - Determinação do teor de cinzas
NBR9842 de 05/2009

Produtos de petróleo - Determinação do teor de cinzas

Produtos de petróleo — Cálculo do índice de viscosidade a partir da viscosidade cinemática
NBR14358 de 07/2012

Produtos de petróleo — Cálculo do índice de viscosidade a partir da viscosidade cinemática

Óleos lubrificantes e aditivos - Determinação de cinza sulfatada
NBR6294 de 03/2008

Óleos lubrificantes e aditivos - Determinação de cinza sulfatada

Métodos de ensaio para filtros de óleo lubrificante de fluxo total para motores de combustão interna - Parte 2: Características da válvula de derivação (alívio) do elemento
NBRISO4548-2 de 03/2007

Métodos de ensaio para filtros de óleo lubrificante de fluxo total para motores de combustão interna - Parte 2: Características da válvula de derivação (alívio) do elemento

Óleo lubrificante — Determinação das características espumantes
NBR14235 de 11/2018

Óleo lubrificante — Determinação das características espumantes

Óleos lubrificantes - Determinação de bário, cálcio, magnédio e zinco por espectrometria de absorção atômica
NBR14066 de 12/2008

Óleos lubrificantes - Determinação de bário, cálcio, magnédio e zinco por espectrometria de absorção atômica

Métodos de ensaio para filtros de óleo lubrificante de fluxo total para motores de combustão interna - Parte 3: Resistência a alta pressão diferencial e à temperatura elevada
NBRISO4548-3 de 04/2007

Métodos de ensaio para filtros de óleo lubrificante de fluxo total para motores de combustão interna - Parte 3: Resistência a alta pressão diferencial e à temperatura elevada

Óleos lubrificantes - Determinação da perda por evaporação pelo método Noack - Parte 2: Não utilizando a liga de Woods
NBR14157-2 de 03/2007

Óleos lubrificantes - Determinação da perda por evaporação pelo método Noack - Parte 2: Não utilizando a liga de Woods

Métodos de ensaio para filtros de óleo lubrificante de fluxo total para motores de combustão interna - Parte 1: Características de fluxo/pressão diferencial
NBRISO4548-1 de 12/2006

Métodos de ensaio para filtros de óleo lubrificante de fluxo total para motores de combustão interna - Parte 1: Características de fluxo/pressão diferencial

Óleos lubrificantes - Determinação de água por crepitação
NBR16358 de 03/2015

Óleos lubrificantes - Determinação de água por crepitação

Métodos de ensaio para filtros de óleo lubrificante de fluxo total para motores de combustão interna - Parte 6: Ensaio de ruptura à pressão estática
NBRISO4548-6 de 06/2008

Métodos de ensaio para filtros de óleo lubrificante de fluxo total para motores de combustão interna - Parte 6: Ensaio de ruptura à pressão estática

Óleos lubrificantes usados - Determinação de insolúveis
NBR14953 de 12/2007

Óleos lubrificantes usados - Determinação de insolúveis

Óleos lubrificantes com aditivos poliméricos — Determinação da estabilidade ao cisalhamento usando o equipamento de injetor diesel europeu com 30 e 90 ciclos
NBR14325 de 06/2013

Óleos lubrificantes com aditivos poliméricos — Determinação da estabilidade ao cisalhamento usando o equipamento de injetor diesel europeu com 30 e 90 ciclos

Produtos de petróleo — Determinação do ponto de fulgor pelo aparelho de vaso fechado Pensky-Martens
NBR14598 de 12/2012

Produtos de petróleo — Determinação do ponto de fulgor pelo aparelho de vaso fechado Pensky-Martens

Métodos de ensaio para filtros de óleo lubrificante de fluxo total para motores de combustão interna Parte 7: Ensaio de fadiga à vibração
NBRISO4548-7 de 06/2008

Métodos de ensaio para filtros de óleo lubrificante de fluxo total para motores de combustão interna Parte 7: Ensaio de fadiga à vibração

Métodos de ensaio para filtros de óleo lubrificante de fluxo total para motores de combustão interna - Parte 4: Eficiência inicial de retenção da partícula, vida e eficiência cumulativa (método gravimétrico)
NBRISO4548-4 de 03/2008

Métodos de ensaio para filtros de óleo lubrificante de fluxo total para motores de combustão interna - Parte 4: Eficiência inicial de retenção da partícula, vida e eficiência cumulativa (método gravimétrico)

Óleos lubrificantes — Determinação da perda por evaporação pelo método Noack - Parte 3: Selby-Noack
NBR14157-3 de 03/2013

Óleos lubrificantes — Determinação da perda por evaporação pelo método Noack - Parte 3: Selby-Noack

Óleos lubrificantes - Determinação das características espumantes a alta temperatura
NBR14924 de 12/2008

Óleos lubrificantes - Determinação das características espumantes a alta temperatura

Óleos lubrificantes - Determinação de elementos por espectrometria de emissão atômica de plasma indutivamente acoplado
NBR14786 de 02/2010

Óleos lubrificantes - Determinação de elementos por espectrometria de emissão atômica de plasma indutivamente acoplado

Métodos de ensaio para filtros de óleo lubrificante de fluxo total para motores de combustão interna - Parte 12: Eficiência de filtragem utilizando contagem de partículas e capacidade de retenção do contaminante
NBRISO4548-12 de 11/2008

Métodos de ensaio para filtros de óleo lubrificante de fluxo total para motores de combustão interna - Parte 12: Eficiência de filtragem utilizando contagem de partículas e capacidade de retenção do contaminante

Óleos lubrificantes - Determinação da perda por evaporação pelo método Noack - Parte 1: Utilizando a liga de Woods
NBR14157-1 de 03/2007

Óleos lubrificantes - Determinação da perda por evaporação pelo método Noack - Parte 1: Utilizando a liga de Woods

Filtros para óleo lubrificante — Análise de amostra de óleo
NBR5503 de 04/2012

Filtros para óleo lubrificante — Análise de amostra de óleo