Text page

Curso: Instalações Elétricas em Atmosferas Explosivas

Esse treinamento visa capacitar e adequar os profissionais que interagem de forma direta ou indireta com um ambiente de atmosfera potencialmente explosiva, buscando conscientizá-lo quanto à importância de se identificar a potencialidade explosiva de um determinado ambiente, classificando-o para, em seguida, fazer a escolha do equipamento adequado a ser inserido.

15/10/2014 - Equipe Target

Os riscos das atmosferas explosivas

O curso Instalações Elétricas em Atmosferas Explosivas, disponível gravado pela internet, visa capacitar e adequar os profissionais que interagem de forma direta ou indireta com um ambiente de atmosfera potencialmente explosiva. Busca-se conscientizar o profissional quanto à importância de se identificar a potencialidade explosiva de um determinado ambiente, classificando-o para, em seguida, fazer a escolha do equipamento adequado a ser inserido.

A base legal do assunto é a Portaria do Inmetro nº 179, de 18 de maio de 2010, com a sua última redação pela Portaria Inmetro nº 89, de 23 de fevereiro de 2012. O curso está em constante evolução, buscando-se com isso, a satisfação das pessoas que participam em sala ou via internet.

Serão abordadas as normas que fundamentam o assunto atmosferas explosivas considerando-se os diversos modelos de equipamentos conforme a classificação de área, as aplicabilidades e compatibilidades com os riscos previstos nos ambientes. Discutem-se os procedimentos de manutenção e instalação adequados, de acordo com as recomendações técnicas compatíveis, fundamentados em normas apropriadas. O curso Instalações Elétricas em Atmosferas Explosivas também está disponível nas dependências da Target ou ao vivo através da internet.

A implementação de medidas de prevenção de explosões é da responsabilidade do empregador, que deve evitar a formação de atmosferas explosivas ou, caso tal não seja possível, evitar a sua deflagração e a propagação de eventuais explosões. Das medidas a adotar destacam-se as técnicas e as organizacionais.

Por atmosferas explosivas entendem-se as constituídas por misturas de ar com substâncias inflamáveis (gases, vapores, névoas ou poeiras), nas quais, após a ignição, a combustão se propague a toda a mistura não queimada. As áreas onde se podem formar atmosferas explosivas são classificadas em função da frequência e da duração das mesmas, conforme apresentado: Zona 0 — área onde existe permanentemente, ou durante longos períodos de tempo ou com frequência, uma atmosfera explosiva constituída por uma mistura com o ar de substâncias inflamáveis, sob a forma de gás, vapor ou névoa; Zona 1 — área onde é provável, em condições normais de funcionamento, a formação ocasional de uma atmosfera explosiva constituída por uma mistura com o ar de substâncias inflamáveis, sob a forma de gás, vapor ou névoa; Zona 2 — área onde não é provável, em condições normais de funcionamento, a formação de uma atmosfera explosiva constituída por uma mistura com o ar de substâncias inflamáveis, sob a forma de gás, vapor ou névoa, ou onde essa formação, caso se verifique, seja de curta duração; Zona 20 — área onde existe permanentemente ou durante longos períodos de tempo ou com frequência uma atmosfera explosiva sob a forma de uma nuvem de poeira combustível; Zona 21 — área onde é provável, em condições normais de funcionamento, a formação ocasional de uma atmosfera explosiva sob a forma de uma nuvem de poeira combustível; e Zona 22 — área onde não é provável, em condições normais de funcionamento, a formação de uma atmosfera explosiva sob a forma de uma nuvem de poeira combustível, ou onde essa formação, caso se verifique, seja de curta duração.

A prevenção da formação de atmosferas explosivas deve ser efetuada através de medidas técnicas e organizativas apropriadas à natureza das operações, tendo em conta os princípios de prevenção consagrados no regime aplicável em matéria de segurança, higiene e saúde no trabalho, sendo da responsabilidade do empregador. Se a natureza da atividade não permitir evitar a formação de atmosferas explosivas, as medidas técnicas e organizativas devem ser no sentido de evitar a ignição dessas explosões e de atenuar os efeitos prejudiciais das mesmas, de forma a proteger a vida, a integridade física e a saúde dos trabalhadores. Estas medidas devem ser revistas com a periodicidade máxima de um ano ou sempre que ocorram alterações.

Ao proceder à avaliação de riscos de explosões e antes do início do trabalho, o empregador deve assegurar a elaboração e atualização de um manual de proteção contra explosões. Este documento deve ser revisto sempre que forem efetuadas modificações, ampliações ou transformações importantes no local de trabalho, nos equipamentos ou na organização do trabalho, e deve indicar que foram tidos em consideração: a concepção, utilização e manutenção dos locais de trabalho e dos equipamentos, incluindo os sistemas de alarme; a identificação e avaliação dos riscos de explosão; a classificação das áreas perigosas em zonas; a programação de medidas adequadas para aplicação das prescrições estabelecidas pela legislação; a identificação das áreas onde devem ser aplicadas as prescrições mínimas aplicáveis às áreas perigosas; e a adoção de medidas que permitam utilizar os equipamentos de trabalho de uma forma segura.

O empregador deve proporcionar aos trabalhadores que prestam serviço em áreas onde se possam formar atmosferas explosivas uma formação adequada à proteção contra explosões. O empregador deve assegurar ainda a informação e a consulta dos trabalhadores e dos seus representantes para a segurança, higiene e saúde no trabalho. Se existirem trabalhadores de várias empresas no mesmo local de trabalho, cada empregador é responsável pelas atividades que estejam sob o seu controlo.

Sem prejuízo da responsabilidade individual de cada empregador, prevista no regime aplicável em matéria de segurança, higiene e saúde no trabalho, o empregador responsável pelo local de trabalho é responsável pela coordenação da aplicação das medidas relativas à segurança e saúde dos trabalhadores e pela especificação, no manual de proteção contra explosões, da finalidade, medidas e procedimentos de sua execução.

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Atmosferas explosivas - Parte 11: Proteção de equipamento por segurança intrínseca “i”
NBRIEC60079-11 de 11/2013

Atmosferas explosivas - Parte 11: Proteção de equipamento por segurança intrínseca “i”

Atmosferas explosivas - Parte 13: Proteção de equipamentos por ambiente pressurizado “p” e por ambiente artificialmente ventilado “v”
NBRIEC60079-13 de 08/2019

Atmosferas explosivas - Parte 13: Proteção de equipamentos por ambiente pressurizado “p” e por ambiente artificialmente ventilado “v”

Luvas de material isolante (IEC 60903:2002, MOD)
NBR16295 de 05/2014

Luvas de material isolante (IEC 60903:2002, MOD)

Atmosferas explosivas - Parte 10-1: Classificação de áreas - Atmosferas explosivas de gás
NBRIEC60079-10-1 de 11/2018

Atmosferas explosivas - Parte 10-1: Classificação de áreas - Atmosferas explosivas de gás

Atmosferas explosivas - Parte 31: Proteção de equipamentos contra ignição de poeira por invólucros “t”
NBRIEC60079-31 de 06/2022

Atmosferas explosivas - Parte 31: Proteção de equipamentos contra ignição de poeira por invólucros “t”

Trabalhos em linha viva — Vestimenta condutiva para uso em tensão nominal até 800 kV c.a. e ± 600 kV d.c. (IEC 60895:2002, MOD)
NBR16135 de 12/2012

Trabalhos em linha viva — Vestimenta condutiva para uso em tensão nominal até 800 kV c.a. e ± 600 kV d.c. (IEC 60895:2002, MOD)

Atmosferas explosivas - Parte 35-2: Lanternas para capacetes para utilização em minas sujeitas a grisu — Desempenho e outros requisitos relacionados à segurança
NBRIEC60079-35-2 de 06/2013

Atmosferas explosivas - Parte 35-2: Lanternas para capacetes para utilização em minas sujeitas a grisu — Desempenho e outros requisitos relacionados à segurança

Atmosferas explosivas - Parte 35-1: Lanternas para capacetes para utilização em minas sujeitas a grisu — Requisitos gerais — Construção e ensaios em relação ao risco de explosão
NBRIEC60079-35-1 de 06/2013

Atmosferas explosivas - Parte 35-1: Lanternas para capacetes para utilização em minas sujeitas a grisu — Requisitos gerais — Construção e ensaios em relação ao risco de explosão

Atmosferas explosivas - Parte 30-1: Traceamento elétrico resistivo - Requisitos gerais e de ensaios
NBRIEC60079-30-1 de 12/2017

Atmosferas explosivas - Parte 30-1: Traceamento elétrico resistivo - Requisitos gerais e de ensaios

Atmosferas explosivas - Parte 6: Proteção de equipamento por imersão em líquido “o”
NBRIEC60079-6 de 05/2021

Atmosferas explosivas - Parte 6: Proteção de equipamento por imersão em líquido “o”

Atmosferas explosivas - Parte 0: Equipamentos - Requisitos gerais
NBRIEC60079-0 de 11/2020

Atmosferas explosivas - Parte 0: Equipamentos - Requisitos gerais

Atmosferas explosivas - Parte 7: Proteção de equipamentos por segurança aumentada “e”
NBRIEC60079-7 de 08/2018

Atmosferas explosivas - Parte 7: Proteção de equipamentos por segurança aumentada “e”

Equipamentos elétricos para atmosferas explosivas - Parte 10: Classificação de áreas
NBRIEC60079-10 de 06/2009

Equipamentos elétricos para atmosferas explosivas - Parte 10: Classificação de áreas

Atmosferas explosivas - Parte 5: Proteção de equipamentos por imersão em areia “q”
NBRIEC60079-5 de 08/2016

Atmosferas explosivas - Parte 5: Proteção de equipamentos por imersão em areia “q”

Atmosferas explosivas - Parte 18: Proteção de equipamento por encapsulamento “m”
NBRIEC60079-18 de 08/2020

Atmosferas explosivas - Parte 18: Proteção de equipamento por encapsulamento “m”

Atmosferas explosivas - Parte 28: Proteção de equipamentos e de sistemas de transmissão que utilizam radiação óptica
NBRIEC60079-28 de 11/2016

Atmosferas explosivas - Parte 28: Proteção de equipamentos e de sistemas de transmissão que utilizam radiação óptica

Vocabulário eletrotécnico internacional - Parte 426: Atmosferas explosivas
NBRIEC60050-426 de 02/2022

Vocabulário eletrotécnico internacional - Parte 426: Atmosferas explosivas

Atmosferas explosivas - Parte 30-2: Traceamento elétrico resistivo - Procedimento para aplicação em projeto, instalação e manutenção
NBRIEC60079-30-2 de 12/2017

Atmosferas explosivas - Parte 30-2: Traceamento elétrico resistivo - Procedimento para aplicação em projeto, instalação e manutenção

Atmosferas explosivas - Parte 15: Proteção de equipamento por tipo de proteção “n”
NBRIEC60079-15 de 12/2019

Atmosferas explosivas - Parte 15: Proteção de equipamento por tipo de proteção “n”

Atmosferas explosivas - Parte 10-2: Classificação de áreas — Atmosferas de poeiras explosivas
NBRIEC60079-10-2 de 06/2016

Atmosferas explosivas - Parte 10-2: Classificação de áreas — Atmosferas de poeiras explosivas

Atmosferas explosivas - Parte 14: Projeto, seleção e montagem de instalações elétricas
NBRIEC60079-14 de 11/2016

Atmosferas explosivas - Parte 14: Projeto, seleção e montagem de instalações elétricas

Atmosferas explosivas - Parte 1: Proteção de equipamento por invólucro à prova de explosão “d”
NBRIEC60079-1 de 06/2016

Atmosferas explosivas - Parte 1: Proteção de equipamento por invólucro à prova de explosão “d”

Requisitos básicos para proteção de componentes sensíveis às descargas eletrostáticas
NBR14544 de 01/2015

Requisitos básicos para proteção de componentes sensíveis às descargas eletrostáticas

Atmosferas explosivas - Parte 17: Inspeção e manutenção de instalações elétricas
NBRIEC60079-17 de 10/2014

Atmosferas explosivas - Parte 17: Inspeção e manutenção de instalações elétricas