Text page

Curso: Curtos-Circuitos e Seletividade em Instalações Elétricas Industriais

Esse curso especifica aos engenheiros e projetistas como saber especificar adequadamente os equipamentos elétricos que são submetidos à corrente de curto-circuito, pois um sistema elétrico está sujeito a eventuais falhas que podem envolver elevadas correntes de curtos-circuitos, e que fatalmente irão submeter os equipamentos a esforços térmicos e dinâmicos. O curso é dividido em dois tópicos: curto-circuito e coordenação da proteção (seletividade).

01/10/2014 - Equipe Target

Correntes de curto-circuito

O Curso: Curtos-Circuitos e Seletividade em Instalações Elétricas Industriais - Conheça as Técnicas e Corretas Especificações, disponível pela internet, especifica aos engenheiros e projetistas como saber especificar adequadamente os equipamentos elétricos que são submetidos à corrente de curto-circuito, pois um sistema elétrico está sujeito a eventuais falhas que podem envolver elevadas correntes de curtos-circuitos, e que fatalmente irão submeter os equipamentos a esforços térmicos e dinâmicos. O curso é dividido em dois tópicos: curto-circuito e coordenação da proteção (seletividade).

O tópico Curto-Circuito discute: cálculo de corrente de curto-circuito simétrica e assimétrica; especificação dos equipamentos de proteção do ponto de vista de corrente de curto-circuito; recomendações práticas das normas nacionais e internacionais vigentes, como ANSI-VDE-IEC-NEC-ABNT. Já o tópico coordenação da proteção discute: a importância e os conceitos de proteção exigidos em normas; a filosofia e as técnicas de proteção para dispositivos de proteção de Baixa, Média e Alta Tensão; o ajuste de relés fase e neutro de sobrecorrentes.

O Curso: Curtos-Circuitos e Seletividade em Instalações Elétricas Industriais - Conheça as Técnicas e Corretas Especificações também pode ser acompanhado de forma presencial e, para atender à demanda daqueles que não podem se locomover até as instalações da Target, o curso ao vivo através da internet. Recursos de última geração permitem total aproveitamento mesmo à distância.

Para a elaboração de um projeto elétrico, o dimensionamento da proteção e coordenação de seus elementos é necessário o conhecimento das correntes de curto circuito nos pontos da instalação. As correntes de curto-circuito são de valores elevados, e duração de frações de segundos. Sua causa mais comum é a perda da isolação de elemento energizado do sistema elétrico.

Os danos provocados pela corrente de curto-circuito ficam limitados à atuação correta dos elementos de proteção. A corrente de curto-circuito situa-se entre 10 e 100 vezes a corrente nominal.

Assim, um curto-circuito é uma ligação de baixa impedância entre dois pontos de potenciais diferentes, essa ligação pode ser metálica quando se diz que há um curto-circuito franco ou por um arco elétrico, que é a situação mais comum, uma situação intermediária é a dos curtos causados por galhos de árvores ou outros objetos que caem sobre as linhas de transmissão de energia elétrica. No momento do curto-circuito acontece uma rápida elevação da corrente atingindo valores superiores a dez vezes a corrente nominal do circuito, e nos casos de circuitos longos de distribuição de energia elétrica, a corrente de curto-circuito pode ser igual a corrente de carga, o que exige técnicas especiais para sua identificação, são os chamados curtos-circuitos de alta impedância.

Um curto-circuito é uma ligação de baixa impedância entre dois pontos de potenciais diferentes, essa ligação pode ser metálica quando se diz que há um curto-circuito franco ou por um arco elétrico, que é a situação mais comum, uma situação intermediária é a dos curtos causados por galhos de árvores ou outros objetos que caem sobre as linhas de transmissão de energia elétrica.

No momento do curto-circuito acontece uma rápida elevação da corrente atingindo valores superiores a 10 vezes a corrente nominal do circuito, e nos casos de circuitos longos de distribuição de energia elétrica, a corrente de curto-circuito pode ser igual a corrente de carga, o que exige técnicas especiais para sua identificação, são os chamados curtos-circuitos de alta impedância.

Com a elevação da corrente, surgem esforços mecânicos entre os condutores ou entre componentes dos equipamentos (efeitos mecânicos) e aquecimentos dos condutores ou das partes condutoras dos equipamentos (efeitos térmicos). No caso dos curtos-circuitos através de arcos elétricos podem acontecer explosões e incêndios, e se não houver uma pronta atuação da proteção, outros curtos-circuitos também podem dar origem a incêndios e explosões.

Como regra geral de proteção nas médias e altas tensões, considera-se que os efeitos mecânicos devem ser suportados pelos equipamentos e faz-se a proteção contra os efeitos térmicos. Para as baixas tensões são desenvolvidos equipamentos de proteção limitadores que cortam a corrente de curto antes da corrente atingir o primeiro valor de crista (valor de referência), desse modo consegue-se proteger contra os efeitos mecânicos.

Os barramentos, os condutores e os equipamentos das instalações elétricas e seus sistemas de proteção precisam ser dimensionados levando em conta os maiores valores das correntes de curto-circuito que podem acontecer em cada parte do circuito. Sempre que houver aumento da capacidade geradora, os cálculos devem ser refeitos, em alguns casos é possível redimensionar os equipamentos e os barramentos, ao invés de instalar reatores que limitam a corrente de curto-circuito deixando o limite da corrente no valor anterior.

Esse artifício é usado geralmente pelas concessionárias que instalam reatores de núcleo de ar na saída das subestações sempre que existe aumento da capacidade de geração ou interligação com outros sistemas de geração. No instante do curto-circuito a corrente aumenta rapidamente atingindo o valor total da corrente disponível e vai em seguida diminuindo, passando por valores médio e depois de vários ciclos atinge o valor permanente de curto-circuito.

Nesse instante começa a ser mais importante o efeito térmico, pois os condutores ou as partes condutoras dos equipamentos têm suas temperaturas aumentadas podendo sofrer alterações na sua estrutura ou a deterioração de sua isolação, conforme o caso. Os valores das correntes serão determinados pela força eletromotriz dos geradores e pelas impedâncias, principalmente das reatâncias dos condutores e equipamentos entre os geradores e o ponto de curto.

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Ensaios relativos ao risco de fogo - Parte 10-2: Calor anormal — Ensaio de pressão por esfera
NBRIEC60695-10-2 de 05/2020

Ensaios relativos ao risco de fogo - Parte 10-2: Calor anormal — Ensaio de pressão por esfera

Instalações elétricas de baixa tensão
NBR5410 de 09/2004

Instalações elétricas de baixa tensão

Técnicas de ensaios elétricos de alta tensão - Dispositivos de medição
NBR6937 de 05/2016

Técnicas de ensaios elétricos de alta tensão - Dispositivos de medição

Transformadores de potência - Parte 5: Capacidade de resistir a curtos-circuitos
NBR5356-5 de 12/2015

Transformadores de potência - Parte 5: Capacidade de resistir a curtos-circuitos

Ensaios relativos ao risco de fogo - Parte 11-5: Ensaio de chama — Método de Ensaio de chama de agulha — Aparelhagem, dispositivo de ensaio de verificação e orientações
NBRIEC60695-11-5 de 12/2020

Ensaios relativos ao risco de fogo - Parte 11-5: Ensaio de chama — Método de Ensaio de chama de agulha — Aparelhagem, dispositivo de ensaio de verificação e orientações

Ensaios relativos aos riscos de fogo - Parte 2-10: Ensaio de fio incandescente/aquecido - Aparelhagem e método comum de ensaio
NBRIEC60695-2-10 de 12/2015

Ensaios relativos aos riscos de fogo - Parte 2-10: Ensaio de fio incandescente/aquecido - Aparelhagem e método comum de ensaio

Ensaios relativos ao risco de fogo - Parte 2-12: Métodos de ensaio de fio incandescente/aquecido - Método de ensaio de inflamabilidade para materiais
NBRIEC60695-2-12 de 12/2013

Ensaios relativos ao risco de fogo - Parte 2-12: Métodos de ensaio de fio incandescente/aquecido - Método de ensaio de inflamabilidade para materiais

Métodos de ensaios para cabos elétricos sob condições de fogo - Parte 3-25: Ensaio de propagação vertical da chama em condutores ou cabos em feixes montados verticalmente - Categoria D
NBRNM-IEC60332-3-25 de 02/2005

Métodos de ensaios para cabos elétricos sob condições de fogo - Parte 3-25: Ensaio de propagação vertical da chama em condutores ou cabos em feixes montados verticalmente - Categoria D

Métodos de ensaios em cabos elétricos sob condições de fogo - Parte 1: Ensaio em um único condutor ou cabo isolado na posição vertical
NBRNM-IEC60332-1 de 02/2005

Métodos de ensaios em cabos elétricos sob condições de fogo - Parte 1: Ensaio em um único condutor ou cabo isolado na posição vertical

Métodos de ensaios para cabos elétricos submetidos ao fogo - Parte 3-10: Ensaio de propagação vertical da chama de cabos em feixes na posição vertical - Equipamento de ensaio
NBRNM-IEC60332-3-10 de 02/2005

Métodos de ensaios para cabos elétricos submetidos ao fogo - Parte 3-10: Ensaio de propagação vertical da chama de cabos em feixes na posição vertical - Equipamento de ensaio

Métodos de ensaios para cabos elétricos sob condições de fogo - Parte 3-22: Ensaio de propagação vertical da chama em condutores ou cabos em feixes montados verticalmente - Categoria A
NBRNM-IEC60332-3-22 de 02/2005

Métodos de ensaios para cabos elétricos sob condições de fogo - Parte 3-22: Ensaio de propagação vertical da chama em condutores ou cabos em feixes montados verticalmente - Categoria A

Conectores para cabos de potência - Ensaios de ciclos térmicos e curtos-circuitos
NBR9326 de 10/2014

Conectores para cabos de potência - Ensaios de ciclos térmicos e curtos-circuitos

Atmosferas explosivas - Parte 14: Projeto, seleção e montagem de instalações elétricas
NBRIEC60079-14 de 11/2016

Atmosferas explosivas - Parte 14: Projeto, seleção e montagem de instalações elétricas

Disjuntores para proteção de sobrecorrentes para instalações domésticas e similares (IEC 60898:1995, MOD)
NBRNM60898 de 07/2004

Disjuntores para proteção de sobrecorrentes para instalações domésticas e similares (IEC 60898:1995, MOD)

Dispositivos fusíveis limitadores de corrente
NBR8669 de 10/2014

Dispositivos fusíveis limitadores de corrente

Graus de proteção providos por invólucros (Códigos IP)
NBRIEC60529 de 04/2017

Graus de proteção providos por invólucros (Códigos IP)

Cálculo da capacidade de condução de corrente de cabos isolados em regime permanente (fator de carga 100%) - Procedimento
NBR11301 de 09/1990

Cálculo da capacidade de condução de corrente de cabos isolados em regime permanente (fator de carga 100%) - Procedimento

Métodos de ensaios para cabos elétricos sob condições de fogo - Parte 3-24: Ensaio de propagação vertical da chama em condutores ou cabos em feixes montados verticalmente - Categoria C
NBRNM-IEC60332-3-24 de 02/2005

Métodos de ensaios para cabos elétricos sob condições de fogo - Parte 3-24: Ensaio de propagação vertical da chama em condutores ou cabos em feixes montados verticalmente - Categoria C

Cabos elétricos — Cálculo da corrente nominal — Condições de operação — Otimização econômica das seções dos cabos de potência
NBR15920 de 02/2011

Cabos elétricos — Cálculo da corrente nominal — Condições de operação — Otimização econômica das seções dos cabos de potência

Ensaios não destrutivos - Correntes parasitas - Terminologia
NBRNM316 de 06/2007

Ensaios não destrutivos - Correntes parasitas - Terminologia