Text page

Curso: Segurança na Operação e Manutenção de Subestações e Cabines Primárias

O treinamento capacita os engenheiros e técnicos, projetistas e instaladores para lidar com esses equipamentos e situações, além de atualizá-los quanto aos requisitos da norma NBR 14039 e NR 10 sobre manutenção das instalações de média tensão e condições de segurança de trabalho.


28/05/2012 - Equipe Target

A segurança das instalações conforme a NBR 14039

Essa norma estabelece um sistema para o projeto e execução de instalações elétricas de média tensão, com tensão nominal de 1,0 kV a 36,2 kV, à frequência industrial, de modo a garantir segurança e continuidade de serviço. Aplica-se a partir de instalações alimentadas pelo concessionário, o que corresponde ao ponto de entrega definido através da legislação vigente emanada da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). Também se aplica a instalações alimentadas por fonte própria de energia em média tensão.

Além disso, abrange as instalações de geração, distribuição e utilização de energia elétrica, sem prejuízo das disposições particulares relativas aos locais e condições especiais de utilização constantes nas respectivas normas. As instalações especiais, tais como marítimas, de tração elétrica, de usinas, pedreiras, luminosas com gases (neônio e semelhantes), devem obedecer, além dessa norma, às normas específicas aplicáveis em cada caso. Refere, para que não venham, por suas deficiências, prejudicar e perturbar as instalações vizinhas ou causar danos a pessoas e animais e à conservação dos bens e do meio ambiente. Aplica-se às instalações novas, às reformas em instalações existentes e às instalações de caráter permanente ou temporário. As modificações destinadas a, por exemplo, acomodar novos equipamentos ou substituir os existentes não implicam necessariamente reforma total da instalação.

Os componentes da instalação são considerados apenas no que concerne à sua seleção e às suas condições de instalação. Isto é igualmente válido para conjuntos pré-fabricados de componentes que tenham sido submetidos aos ensaios de tipo aplicáveis. A aplicação dessa norma não dispensa o respeito aos regulamentos de órgãos públicos aos quais a instalação deva satisfazer. Em particular, no trecho entre o ponto de entrega e a origem da instalação, pode ser necessário, além das prescrições dessa norma, o atendimento das normas e/ou padrões do concessionário quanto à conformidade dos valores de graduação (sobrecorrentes temporizadas e instantâneas de fase/neutro) e capacidade de interrupção da potência de curto-circuito. A Resolução 456:2000 da ANEEL define que ponto de entrega é ponto de conexão do sistema elétrico da concessionária com as instalações elétricas da unidade consumidora, caracterizando-se como o limite de responsabilidade do fornecimento.

A previsão de carga de uma instalação deve ser feita obedecendo-se às prescrições citadas a seguir: a) a carga a considerar para um equipamento de utilização é a sua potência nominal absorvida, dada pelo fabricante ou calculada a partir da tensão nominal, da corrente nominal e do fator de potência; b) nos casos em que for dada a potência nominal fornecida pelo equipamento (potência de saída), e não a absorvida, devem ser considerados o rendimento e o fator de potência. As instalações ligadas a uma rede de distribuição pública não devem prejudicar o funcionamento desta distribuição em serviço normal, da mesma forma que os aparelhos que fazem parte da instalação, quando em operação, não devem causar perturbações significativas na rede.

Nessa norma são considerados os esquemas de aterramento descritos a seguir, com as seguintes observações:

a) as figuras 1 a 6 mostram exemplos de sistemas trifásicos comumente utilizados;

b) para classificação dos esquemas de aterramento é utilizada a seguinte simbologia:

- primeira letra - situação da alimentação em relação à terra:
• T = um ponto de alimentação (geralmente o neutro) diretamente aterrado;
• I = isolação de todas as partes vivas em relação à terra ou aterramento de um ponto através de uma impedância;

- segunda letra - situação das massas da instalação elétrica em relação à terra:
• T = massas diretamente aterradas, independentemente do aterramento eventual de ponto de alimentação;
• N = massas ligadas diretamente ao ponto de alimentação aterrado (em corrente alternada, o ponto aterrado é normalmente o neutro);

- terceira letra – situação de ligações eventuais com as massas da subestação:
• R = as massas da subestação estão ligadas simultaneamente ao aterramento do neutro da instalação e às massas da instalação;
• N = as massas da subestação estão ligadas diretamente ao aterramento do neutro da instalação, mas não estão ligadas às massas da instalação;
• S = as massas da subestação estão ligadas a um aterramento eletricamente separado daquele do neutro e daquele das massas da instalação.

Para mais informações sobre o curso e inscrições, clique no link:

Curso: Segurança na Operação e Manutenção de Subestações e Cabines Primárias

Publico Alvo: Engenheiros, projetistas e técnicos que atuam nas áreas de projeto, execução, manutenção e operação de cabines primárias.

Professores: João Gilberto Cunha

FONTE: Equipe Target

Baseado nos documentos visitados

Normas recomendadas para você

Eletricidade geral - Terminologia
NBR5456 de 11/2010

Eletricidade geral - Terminologia

Sistemas elétricos de potência
NBR5460 de 04/1992

Sistemas elétricos de potência

Instalações elétricas de baixa tensão
NBR5410 de 09/2004

Instalações elétricas de baixa tensão